domingo, 28 de novembro de 2010

Vírgulas

"Antes de começar, peço desculpas pelo uso "proposital em excesso" de ,"

Hoje eu a vi, cidade pequena, pensamentos atordoados, solidão que bate e também, os destinos minuciosamente cruzados em tempo certo, não a veria se me atrasasse dois minutos. É a falta dela que eu sinto e, não me parece ser mais amor, é a falta, o amor foi destruído por ela mesma. Será que um dia que isso vai passar e, que um dia poderei vê-la e não sentir mais nada, que um dia poderei dizer que não sinto mais nada e, realmente não sentir de fato, que um dia conseguirei estar no mesmo ambiente que ela sem ir embora.Cidade pequena, impossível não conviver, não é mesmo?

Hoje sofri mais um pouco, pensando que mais um pouco, de um longo caminho de sofrimento foi percorrido, quando eu me pergunto, por quem, por quem eu sofro e, de quem sinto tanta falta, já não sei mais responder, parece que sofro por quem eu vi por ultimo, parece que sofro por quem a musica que estou escutando agora me traz a memória. Isso não é mais amor, seu porco imundo, seu gordo comilão, seu acomodado, seu idiota, não adianta mais, uma vez descoberto, o gosto do amor, jamais se quer viver sem ele mais. Mas, as oportunidades que tive, eu não aproveitei pois, as pessoas mais certas da nossas vidas, vêem nas horas mais erradas, e se a pessoa certa vem, na hora certa, eu de certo fiz o que pude pra estragar. Penso que me conformei com essa solidão, tenho ela como um castigo, algo que eu tenho realmente de passar, pagar de verdade pelos erros cometidos.

Hoje, eu não sei ate quando pagarei, ate quando sofrerei, ate quando evitarei contatos, ate quando o telefone dela vai ficar na minha agenda me fazendo aquela vontade, de ligar e ouvir mais um pouco voz. Eu me sinto um idiota, escrevendo algo que vai passar no tempo, assim como ela escolheu me deixar passar no tempo também. Eu não sou mais eu, parece que estou sendo manipulado o tempo todo. Totalmente dependente de amigos, mesmo quando me sinto total inútil e idiota perto deles.

Hoje as suas vidas seguem seus rumos, filhos, novos amores, novos planos, enquanto eu me sinto sem chão, descobrindo a enorme diferença que existe entre amar e ser dependente. A vida minha esta passando, como um filme, eu descobri que não sou o ator principal da minha vida.

Em meio a tantas vírgulas, que aqui tem função de pausar o texto, uma imensa vírgula, mantém a minha vida, pausada.

5 Confortadores:

Cαmilα ♥ disse...

Virgulas
Quando sentir-se bem, quem sabe se transforam em ponto em pontos...

Anônimo disse...

Vírgulas demais para quem supostamente que seguir adiante. Não coloque ponto final em nada, te indico interrogações... As respostas é só fazer esforço que encontramos...

kamila martins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
kamila martins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

^^

Postar um comentário